Terceirona

Terceirona: Delírios parte 3: Especule com graça e destreza suas vontades com falso viés; Ou, o retorno de Mãe Dinah!

E apenas para variar mais um pouco, mais uma resposta a outro artigo do Victor Miller da Planeta Sonic, desta vez comento o texto “Coluna: Prevendo o próximo jogo da saga principal do Sonic”.

Quem lê pode achar que alguém está me pagando para perseguir o “pobre” e “coitado” do “incrível” J.J. da comunidade de Sonic Brasileira, o oxidável e inacreditável Sr. Victor Miller, mas não é nada disso não, é que a quantidade de besteira que este sujeito escreve por metro quadrado é algo simplesmente inacreditável.

O efeito das duas últimas Terceironas foi implacável: A Sonic Evollution segundo informações preliminares, perdeu cerca de 10% de sua audiência, muitas exclusões nas nossas redes sociais e nosso fórum anda morto desde então. Ninguém, infelizmente, teve coragem até agora de refutar meus artigos, fazem o que sempre fizeram, se afastam de nosso site para mostrar a sua “indignação”.

Este é um fato curioso, esta obediência canina que existe na comunidade de Sonic aqui no Brasil, coisa que comentarei em um outro artigo em breve, neste vou me concentrar mais uma vez em demonstrar que o Sr. Miller deve ter faltado bastante nas aulas de sua faculdade de jornalismo. Ou não.

Um exercício de umidade

Para nosso jênio, não basta escrever suas projeções e suas vontades**, tem que colocar um “embasamento sólido” para as pobres crianças que lê seu portal fiquem maravilhadas do quão “influente” e “poderoso” ele é.

No texto, ele diz que teve altas conversas o Takashi Iizuka, o chefão da Sonic Team, e onde o mesmo corrobora totalmente a suas vontades e a suas previsões. Nada mal para um site de Sonic sem credibilidade nenhuma e incrustado na terra do sol poente :\

Imagino que isto é um furo de reportagem, afinal de contas, qual site de Sonic tem uma fonte tão poderosa quanto o próprio chefe da Sonic Team confirmando informações? Que motivo de orgulho não é mesmo.

Mas há algo de errado ai: A imprensa estrangeira não moveu um pio sobre isto, a própria comunidade Sonic estrangeira também não falou nada. Não estou sendo “viralatista”, mas é fato que os gringos têm fontes e tem o recurso de perguntar direto para o Iizuka se o que ele falou em off para o J.J é realidade ou não. E não adianta o nosso implacável jornalista mostrar um screenshoot de Facebook para comprovar a conversa, já que a Planeta Sonic gosta bastante dos geradores de perfis falsos de redes sociais :\

Quem conhece a cultura empresarial japonesa, logo sabe que altos executivos das empresas são sempre pessoas discretíssimas, que não sai falando por ai segredos de suas companhias para qualquer pessoa.

E se for assim, eu e o HyperSonic já conversamos com o Yuji Naka, ele uma vez nos respondeu agradecendo nossas mensagens de feliz aniversário.

São grandes (eu diria astronômicas) as chances desta conversa nunca ter existido. E se existiu, o Iizuka deve ter sido tão vago que não revelaria os planos da SEGA para o Sonic. A SEGA é sim uma grande peneira, onde vira e mexe vaza alguma coisa, mas dificilmente o próprio chefe vazaria esta informação.

E por que o Sr. Miller faz isto? Sei lá, deve ser por ego, acha que se ele escrevesse apenas suas vontades de como será o próximo título do Sonic sem alguma chancela, o povo não acreditaria nele. Vá entender a mente destes jênios, não é?

Essa conversa com o chefão da SEGA nada mais é que um exercício de imaginação, eu até diria mais, é um exercício de pura umidade!

Explico: muitas vezes o clima está quente e úmido, mas não tem uma única nuvem no céu, você sabe que aquela umidade saiu de algum lugar, mas não sabe de onde e basta estudar um pouco, para saber que a mesma é puro vapor condensado do solo ou do mar que subiu e se dissipou. Exercícios de imaginação as vezes sobe para cabeça de forma tão brusca, que você sabe que veio lá de baixo mas não sabe de onde saiu estas ideias fétidas 😉

A lei de Fry

No começo do texto o J.J. diz uma frase de efeito que se for analisar, nada mais é que puro vaporware:

“Quando um produtor só faz o que o público pede ou repete exaustivamente uma mesma fórmula, isso acaba limitando o processo criativo, e é capaz dos jogos caírem no que chamamos de “mesmice””.

É mesmo, jênio? Hollywood, a Nintendo, a Televisa e a Rede Globo mandam lembranças para você!

A fórmula do entretenimento é justamente o contrário: Quanto mais mesmice existir, melhor e mais confortável para o público será.

Deve existir na literatura psiquiatria e filosófica um nome científico para isto*, mas eu chamo carinhosamente de “A lei de Fry”: No episódio 12 da primeira temporada de Futurama (“A magia da televisão”), mostra bem como as coisas repetitivas não só fazem sucesso mas como é algo inerente ao ser humano.

Não preciso citar literatura médica para corroborar isto: Chaves é um exemplo mais factível da atualidade, existe até livros que usam a lei de Fry para explicar porque o humor do Bolãnos é tão confortável e porque não sai de moda. As novelas da Televisa e da Rede Globo são a mesmice desde a década 1940. O cinema de Hollywood nada mais é que repetição atrás de repetição, apenas muda a maneira de contar histórias que estão circulando na humanidade desde sempre (O Monomito é a prova cabal disso).

A música e a poesia é nada mais do que repetição, temas de revolta ou amor. A literatura e as artes clássicas são sempre releituras das coisas mais basais da humanidade. A própria história humana é cíclica, onde coisas vivem se repetindo ao longo das eras.

E a religião, com todo respeito, não é um ciclo estático de repetições milenares que confortam mais de 95% da humanidade de todo o sempre?

Como a mesmice não é uma coisa boa? A repetição metódica é uma das coisas mais apreciadas pelo ser humano. Não estou inventando, é apenas uma constatação da realidade (mas sabemos que o Sr. Miller não trabalha com este negócio de nome estranho chamado “realidade”).

Então, você pode dizer: Pô Casper, isto nos games não existe, isto é coisa das mídias decadentes!

Tá bom, a Nintendo que o diga: Mario é a mesma coisa desde sempre. A Nintendo leva a sério a lei de Fry, e faz muito sucesso.

O jogos atuais são releituras de antigos conceitos das artes que estão ai a milênios, a diferença, é que o game é interativo e tem muito mais formas de contar a mesma história.

Um exemplo: The last of Us e o Tomb Raider de 2013 é basicamente a mesma história: Uma mulher indefesa e inocente acaba sendo forçada a entrar e viver um conjunto de situações tenebrosas que poucos humanos conseguiram suportar e que no final elas descobrem uma força que não sabiam que possuíam, e então com esta descoberta, tentam (e conseguem) sobreviver.

O que muda, é a forma de contar a história, as personagens e onde a mesma se passa. Só isso.

Não tem o que inovar em termos de enredo, todas as histórias do mundo já foram contadas, diz o sábio, e este é o erro crasso da SEGA com Sonic. Tenta criar coisas que não fazem sentido dentro da mitologia do ouriço.

Sonic virando lobsomem, Sonic precisando de ajuda de todo mundo para vencer o jogo, Sonic salvando princesas, Sonic chupando poderes de criaturinhas cor-de-rosa … isto não é inovação, e a tentativa patética de vender mais jogos para uma franquia decadente por causa de “inovações” como esta.

A SEGA descumpriu a lei de Fry com Sonic, é por isso que nosso ouriço anda na penúria atual. Como eu queria que a SEGA fosse que nem a Nintendo, conservadora, já imaginou que história legal teríamos hoje com a continuidade da trilogia clássica para o Mega?

Sonic Generations não foi elogiado atoa, ele de alguma forma é uma repetição bem construída do clássico, um remake bem executado.

Deus salve a repetição, e deixe a inovação de contar velhas histórias de outras maneiras para novas franquias e novas pessoas … as antigas devem ser preservadas na mais corrente e metódica repetição. Faça o público se sentir confortável e não angustiado com estas novas ideias.

A previsão da Mãe Dinah

E para terminar, vamos fazer um exercício de futurologia? Mas vamos fazer de forma tão vaga, que quando sair algo novo, de alguma forma a minha previsão irá encaixar-se perfeitamente?

Assim é fácil fazer previsões, o Nostradamus foi mestre nisso, suas poesias esquisitas são tão vagas e tão difusas, que se encaixa em qualquer coisa que aconteça na história humana.

A previsão do Miller é extremamente vaga, até parece que foi a Mãe Dinah ou o Walter Mercado (ligue djá) que fez.

Talvez o nosso J.J. não tenha faltado tanto nas aulas de Jornalismo, é preciso saber exatamente o que está fazendo e saber escrever bem para criar textos que parecem ter muito conteúdo, mas na verdade não tem nada. O jênio é um bom escritor, pena que seja uma pessoa lunática e desonesta, como foi o Nostradamus.

Mais 90% do texto, ele simplesmente repete (olha só que coisa rss) os seus elogios ao Sonic moderno e explica o que de melhor teve nestes jogos e como o Iizuka “falou” para ele (será que foi em sonho? Talvez tenha sido uma visão …) que seria colocado todos estes “elementos mágicos”.

E no final do texto, em três míseros parágrafos, vem a pérola: depois de analisar o passado recente do Sonic e juntando com o seu diálogo profundo com o chefão da SEGA, ele solta as seguintes pérolas em forma de previsão de cartomante de esquina:

1 – A grande inovação do próximo jogo do Sonic é que você terá total liberdade para controlar o Sonic dentro do jogo (?!?)

2 – Será um jogo plataforma (????!!!!!!??????)

3 – Os Wisps de Sonic Colors retornaram e serão o padrão da série

4 – O Chefão da SEGA revelou para o jênio (em uma daquelas conversas que a Planeta Sonic gostam via facebook) que os jogos terão boas histórias. Oooohhhhhh!

5 – O Shadow é o personagem preferido do Iizuka, e como foi o mesmo que fez a história e criou o Shadow no Adventure 2, e a SEGA registrou domínios e os cambaus, logo é de se esperar que o próximo jogo seja o Adventure 3.

6 – Tudo o tempo dirá

Agora me digam, dá para levar a sério estas “previsões”?

Podemos pensar: porque levam este cara a sério?

A resposta é mais simples do que parece, além da Lei de Fry, uma outra lei básica do Universo é acreditar fielmente que nossos sonhos e desejos pode se tornar realidade, e então a maioria tende a acreditar nestes tipos de sujeito e segui-los cegamente em vez de encarar a realidade. Não importa se estou sendo manipulado, se ele está dizendo isto que eu quero que ele diga, então isto é o melhor para mim.

Isto não é novo, eu chamo carinhosamente de síndrome de Rede Globo. Cientistas famosos como o Carl Sagan e o brasileiro Paulo Miranda (conhecido no youtube como Pirula) já falaram abertamente sobre isto.

Sendo assim, já que o Iizuka aceita qualquer um como amigo no Facebook, irei adicioná-lo e vou bater altos papos existenciais com ele, se for mesmo verdade, quem sabe eu não consiga dissuadi-lo da ideia de destruir a franquia Sonic. A esperança ainda não morreu 🙂

—-

* Depois de escrever este artigo, pesquisei um pouco sobre isto e descobri que o Freud, o pai da psicanálise chama este comportamento de “Compulsão a Repetição”. Um nome simples para algo simples.

** Se ele tivesse apenas escrito o que gostaria que um novo jogo do Sonic tivesse, então não teria problema nenhum, ele é livre para fazer isto. O problema é construir um texto parcial com aura jornalística 😛

PS: Antes que me perguntem, não, eu não vou discutir o mérito da previsão em si, pois como expliquei no texto, não é uma previsão, é apenas um conjunto vago de vontades e sonhos do escritor que cria estes textos visando a audiência e a manipulação deste público. Para mim, não dá para prever o que a SEGA vai fazer com Sonic, nem o Jênio conseguiu prever Sonic Boom, a SEGA é que nem bumbum de bebê, pode sair qualquer coisa de lá. 🙁

PS2: Estas respostas ao J.J já virou uma trilogia, será que temos uma nova história sem fim? Sei lá, só o tempo dirá kkkkkk

PS3: Eu prevejo que no próximo game do Sonic, terá o Sonic! 😀

Texto original da Sonic Evollution.com

Disclaimer: A opinião e as convicções e repostas contidas neste artigo não expressam e não refletem a opinião dos webmasters da Sonic Evollution e sim as opiniões do seu autor.

Comente sobre esta notícia no fórum Sonic Network