Colunas

Por que filmes de games fracassam?

Por que filmes de games fracassam?
Por que filmes de games fracassam?

Se você é gamer e é chegado em cinema com certeza já sabe que videogames e filmes não são uma boa combinação. Sempre que Hollywood inventa de fazer uma “adaptação” de nossas amadas franquias para o cinema, o resultado quase sempre é desastroso e algumas dessas pérolas estão entre os piores filmes já feitos na história. Sem brincadeira.

Com planos de um filme da série do ouriço azul planejado para 2018 (depois empurrado pra 2019) feito pela Sony Pictures, Sonic corre o risco de integrar esse hall da infâmia.

Por isso, farei aqui uma pequena listagem de coisas que normalmente são as responsáveis por afundar esse tipo de filme, deixando aqui minha esperança para que o filme do Sonic não cometa esses mesmos erros.

Lembrando que não estou falando que TODOS os filmes baseados em games são ruins. Aqueles em animação, geralmente feitos pelo próprio estúdio que criou a série, em grande parte são muito bons. A série Sonic por exemplo, tem o Sonic OVA, que eu, Hyper Sonic e Ultra Shadow já tínhamos comentado sobre em uma das podcasts da Sonic Evollution.

Vamos lá:

Fazer em live action algo que não fica bom em live action

Algo que é feito em live action (filme com atores de carne-e-osso) naturalmente passa uma sensação mais realista e tem muitos games onde isso não cabe. Super Mario Bros. é talvez o exemplo mais ilustre. Você consegue imaginar Mario andando pelo reino lisérgico do cogumelo pulando em tartarugas e coletando flores que saem de blocos e tudo isso em live action? Meio ridículo não acha? O filme do Mario no caso tentou ser um pouco mais realista. Desnecessário dizer que não funcionou (criou uma cicatriz tão profunda na Nintendo que ela nunca mais deixou ninguém fazer mais filmes de suas franquias).

Existem séries que são cartunescas, coloridas e abstratas demais para serem recriadas adequadamente em live action. Nesses casos, é melhor seguir pra animação ou CG.

No caso do filme do Sonic, espera-se que o filme seja um misto de Live Action com CG. Na minha opinião, acho que o filme teria que ser 100% CG ou animação, pelos motivos mencionados acima. Mas já é um passo no caminho certo pelo menos.

Adicionar personagens apenas como filler e/ou mudar demais suas características

Essa irrita mais o público fã mesmo. Muitas vezes personagens são incluídos no filme apenas para fazerem presença, como um puro fan-service, só que mal feito. Isso quando são incluídos!

Outras vezes, os personagens são descaracterizados demais, tendo perto de nenhuma semelhança com sua versão original além do nome. Se a idéia com isso é tornar mais realista, não faça um filme sobre uma série onde os personagens disparam bolas de energia pela mão e rodopiam no ar não é?

Afastar e/ou dissociar muito o filme de seu material original

Se o material original (nesses casos, um game) já é popular pelas suas características, não tem muito o que se mudar certo? Claro que por se tratar de uma adaptação de um formato pra outro, é óbvio que isso implica em mudanças. Um game é um game e um filme é um filme.

Mas tem alguns “jênios” (como diria o Casper) que extrapolam e fazem um negócio tão fora, que se não fosse pelo nome do filme, você não teria a menor idéia do que se trata.

Final Fantasy The Spirits Within é notório nesse caso. É até que um filminho de ficção científica assistível, mas se não fosse pelo nome, ninguém nem imaginaria que é da série Final Fantasy. Nesses casos seria melhor se fosse um filme próprio e original, sem associação com alguma propriedade. Ainda seria um filme ruim, mas pelo menos não levaria pedrada dos fãs de Final Fantasy.

Pode ter funcionado pra equipe de Marketing, mas o público não é mais tão idiota.

Atuação/direção fraca e elementos feitos nas “coxa” pois “hey, é um filme de game pra criança”

Essa vale pra outros tipos de filme também. Sob essa desculpa de “ah, é pra criança”, alguns filmes acham justificável ter um roteiro horrível com diálogos ruins, péssima atuação, diretor e produção que não entendem nada sobre o material que estão adaptando e etc.

Video games foram durante muito tempo considerados coisas de criança, então para os executivos de Hollywood, isso significa que as crianças é que irão assistir esses filmes e por isso, podem fazer o filme de qualquer jeito.

Pixar, Disney, Dreamworks, entre outros, já provaram várias vezes que podemos ter filmes infantis com conteúdo inteligente e de qualidade, então essa desculpa não cola.

Falta de conhecimento sobre o material original

Essa é uma triste realidade. Os diretores, produtores de Hollywood e grande parte dos envolvidos nos filmes não são de uma geração gamer, então maior parte deles é completamente ignorante no assunto. Maioria (pra não dizer todos) nunca jogaram um videogame na vida e muitas vezes não tem nem noção do que estão adaptando.

Kristen Kreuk, atriz que interpretou Chun Li no infame Street Fighter – A Lenda de Chun Li, disse em uma entrevista:

“Eu nunca fui uma gamer mas eu assisti bastante Street Fighter e era bastante popular quando eu estava no fim do ensino fundamental indo pro ensino médio, então sou bastante familiarizada. Eu vi bastante gente jogando.”

Preciso dizer alguma coisa? Aparentemente, segundo Kreuk, assistir outra pessoa fazer algo torna você bastante familiarizado. E isso é somente UM exemplo do que quero dizer.

O maior vilão: Grana grana grana!

Esse é óbvio que estaria na lista. Afinal, é o grande vilão e responsável por vermos tantos reboots, remakes e adaptações em Hollywood. Grana, bufunfa, money, cash, verdinhas!

Pegar uma propriedade famosa (um game popular, no caso) e fazer um filme é pegar o caminho fácil. A tal propriedade já tem uma fanbase que a acompanha e já vai ser público praticamente garantido na porta do cinema. Pra que fazer algo bom quando o lucro é quase certo?

Olha, todo mundo quer lucrar, isso é óbvio. Ninguém faz um filme milionário pra salvar as baleias.

Mas fundamentar a sua idéia no único propósito de ganhar dinheiro é o principal fator que resulta em todos os itens dessa lista e muitos outros mais.

Gosta de Alone in the Dark? Ótimo! Então vai vir assistir nosso filme, mesmo que ele seja intragável depois de 10 minutos! E porque? Porque você é fã!

Os filmes de games estão ganhando um pouco mais de respeito e talvez ainda possamos mudar essa realidade. Como? Podemos começar criticando quando necessário e parando de ir ver essas porcarias no cinema!

Muitos games tem boas histórias e dariam ótimos filmes. Mario, Doom, House of the Dead, Tomb Raider, Silent Hill, Resident Evil, Street Figher, Mortal Kombat, BloodRayne, Prince of Persia e tantas outras séries que tem boas histórias e poderiam ter sido excelentes filmes. Quanto a série Mario, os RPGs do encanador são prova de que dá pra fazer uma boa história em seu universo, é só querer. O mesmo vale pro nosso ouriço azul. Sonic tem games com boas histórias, mesmo que mais simples. Além de ter uma sólida série de quadrinhos que já dura anos.

Parece utopia, mas pra isso dar certo basta o filme estar nas mãos de pessoas que conhecem o material original, sejam competentes para fazerem uma adaptação ao mesmo tempo que fiel, porém fazendo as podas necessárias. E claro, que tenham gosto, conhecimento e respeito pelo material e não queiram apenas encher o bucho de dinheiro.

Eu não vi os recentes filmes de Warcraft e Assassin’s Creed, mas me parece que eles foram tratados com um pouco mais de seriedade. Vamos esperar que uma franquia querida como Sonic seja tratada com o devido respeito e veremos se vamos ter um bom filme. Porque de ruim na série Sonic, já bastam alguns games que andamos tendo aí.

Sobre o autor

Liars

Um fanático por filmes de terror e heavy metal... Ah, e Sonic claro!

  • Podegoso Shumy

    bom post esse. dos filmes citados, o Double Dragon merece um desconto pois o enredo do mesmo pode ser escrito numa unica linha. e sobre o filme do Sonic, espero que seja em CG como o Sonic Boom